domingo, 24 de julho de 2011

"No jornal, meu coração usado"



“Tudo bem.
Você me conhece e eu não posso ficar fingindo que olho pra você como olho pro meu computador. Isso já é demais.
Eu só não consigo entender, porquê é que meu amor é assim tão importante pra você.
Eu sei que amo sozinha, então porque faz questão de anunciar aos quatro cantos que eu fico tremendo quando pega na minha cintura?
Ou mesmo pra que ter certeza de uma coisa que você não quer?
 Pois bem, pegue o sentimento que te faz bem ao ego e publique logo no jornal.
Faz tanta questão de saber desse meu amor que aqui estou
dizendo sim... entre tantos sim que já disse à você, esse, tem um gostinho ruim, pois me faz dizer coisas que quero tanto esquecer.
 Agora que você já tem sua certeza, pegue meu amor, meu coração usado, o tremor da minha cintura e mostre pra todo mundo.
 Pode pegar também as minhas perguntas, minhas dúvidas e confusões, já que você quer exibir o meu amor então leve também tudo que ele me causa. A febre, a náusea. Deixo você saber também, das minhas lágrimas solitárias e dos meus risos dissimulados, ou até os verdadeiros, afinal, quase todos foram pra ti.
Esse quase é o que me alivia. Se quiser, pode pegar estas palavras e publicá-las todas assim, exatamente como as coloquei. Pode fazer de conta que sou seu troféu. Talvez ao ler seu anúncio no jornal eu possa me dar conta de que essa vitória você não merece”

Nenhum comentário:

Postar um comentário